Tools for praising your body – Part I / Ferramentas para enaltecer o seu corpo – Parte I

EN (Versão em português no final deste post).

“Do not reject your body, praise it, it’s your temple”.

Following on from the previous post, today I bring you a tool that will allow you to know your silhouette, or body type, in this first part regarding the female body.

And why is this question is so important? Simple, this way it will be easier to know which pieces have in your wardrobe that most favor your body, and ones which do not so much, as well as to have an orientation in the purchase of new clothing.

We know that, fortunately, there are no equal bodies or perfect bodies, but there are characteristics that allow us to know which types of clothing fit best in each case, but attention, I believe we should all use what makes us feel good, with or without help tools, but if we want to highlight what our body best presents, I believe that these tips have the advantage to be followed and of great use to those who work with the dissemination of their image, for example.

Before explaining the types of silhouettes, I would like to mention that I will not use exemplary photographs because, since there are no equal bodies and because I can not represent them all, I do not want to rely on a certain existing model to do so, but I believe which with the explanation and use of geometric figures will be equally effective.

triangulo

Triangle – People who have this body shape have narrower shoulders than the hips, that is, the hips are what draws the most attention in the body.

ampulheta

Hourglass – In this case who presents this format of body have the shoulders aligned with the hip and a defined waist.

rectangle

Rectangle – People with this body shape, such as the hourglass type,they have shoulders aligned with the hip, the difference is that the waist is not defined.

tinv

Inverted triangle – Those who have this shape have broader shoulders than the hip / hips.

oval

Oval – People who have this body shape have the belly / waist area more protruding than the shoulders and hips.

Knowing the types of silhouette, now I want to present you a new challenge, identify your type and analyze if the clothes that have generally used praise your body or not and in the next post I will present some tips, such as clothes to use / avoid (not in rule form because I do not believe in style / fashion rules, but only in suggestions).

Agreed? Leave your comments about your opinion.

See you next post!

Lena Alfaite


PT

“Não rejeite o seu corpo, enalteça-o, pois ele é o seu templo”.

No seguimento do post anterior, hoje trago-vos uma ferramenta que vai permitir conhecer melhor a sua silhueta, ou tipo de corpo, nesta 1ª parte respeitante ao corpo feminino.

E porque esta questão é importante? Simples, desta forma será mais fácil saber quais as peças que dispõe no seu guarda-roupa que mais a favorecem, as que não tanto, bem como a ter uma orientação na compra de novo vestuário.

Sabemos que, felizmente, não há corpos iguais e nem corpos perfeitos, porém há características que permitem saber quais os tipos de roupa que assentam melhor em cada caso, mas atenção, eu acredito que todos devemos usar aquilo que nos faça sentir bem, com ou sem ferramentas de auxílio, mas se pretendemos realçar o que de melhor o nosso corpo apresenta creio que estas dicas têm toda a vantagem em ser seguidas e de grande utilidade a quem trabalha com a divulgação da sua imagem por exemplo.

Antes de passar à explicação dos tipo de silhuetas, gostaria de mencionar que não vou utilizar fotografias exemplificativas porque, como não há corpos iguais e como não os posso representar a todos, não quero basear-me num determinado modelo existente para o fazer, mas creio que com a explicação e utilização de figuras geométricas será igualmente eficaz.

triangulo

Triângulo – As pessoas que apresentam esse formato de corpo têm os ombros mais estreitos que o quadril/ancas, ou seja, as ancas são o que chamam mais à atenção no corpo.

ampulheta

Ampulheta – Neste caso quem apresente esse formato de corpo têm os ombros alinhados com o quadril/ancas e a cintura bem definida.

rectangle

Retângulo – As pessoas com esse formato de corpo, tal como no tipo ampulheta, têm os ombros alinhados com o quadril/ancas, a diferença é que a cintura não é definida.

tinv

Triângulo invertido – Quem possui esse formato apresenta os ombros mais largos que o quadril/ancas.

oval

Oval – As pessoas que apresentam esse formato de corpo possuem a zona da barriga/cintura mais saliente que os ombros e o quadril/ancas.

Sabendo agora os tipos de silhueta, quero apresentar-vos um novo desafio, identifiquem o vosso tipo e analisem se as roupas que geralmente têm usado enaltecem ou não o vosso corpo e no próximo post apresentarei algumas dicas, como por exemplo, de roupas a usar/ evitar (não em forma de regra porque não acredito em regras no estilo/moda mas apenas em sugestões).

Combinado? Deixem os vossos comentários acerca da vossa opinião.

Até ao próximo post!

Lena Alfaite

Advertisements

Do you know your body and accept it? / Até que ponto conhece e aceita o seu corpo?

EN (Versão em português no final deste post).

“Self confidence is your best outfit”

Before starting this topic, I would like to leave a small thankfull note to all who have shown their affection and support for the launch of this blog, it was and it is very important for me.

Now let’s focus on a point that, unfortunately, is not comfortable at all for many people, their own body.

And I begin with a question that, although simple, can be quite complex because of the stigma created by our society and which our brain can erroneously absorb.

So the question is: Do you really know your body?

OKY6FW0-002

Image source: <a href=’https://www.freepik.com/free-vector/human-body-shape-background-design_1042834.htm’>Designed by Freepik</a>

Having the knowledge of one’s own body goes much further than stopping in front of the mirror and analyzing the defects, let’s admit that it is what most of us do at a certain point in life and sometimes for too long …

Having a real knowledge of the body passes instead by an analysis of its structure, or its type of silhouette and not being here to speak if the person is fat or thin, low or high, but rather to know for the purpose of leading to the fundamental process for anyone to feel good about themselves, I’m talking about self-acceptance.

We are daily bombarded with more or less explicit concepts of “beauty ideal”, “the ideal body type,” “perfect beauty”, and this shocks me profoundly, today, because I also was been greatly affected by these depressing tricks too, however, from the moment we accept ourselves as we are these “concepts made by an unhappy society” cease to make any sense.

And for those who know me or get to know me through social media and the consequent dissemination of my work, do not think that I do not have the property to speak, because I have, and a lot.

I suffered psychological attacks because I was “too skinny” or “skeletal” as I was often called, because my breasts were not such developed than those of the other girls, my face did not have a beauty within the mental patterns of some people…

All this struck me deeply, I was just like that and I didn’t do absolutely nothing to be that way.

I even ate in double, put on several layers of clothing, wear filler bras for my chest to look bigger and for what? To please others when I could not please myself?

Whoever, who is in this situation I’ve been or is distilling free attacks on other people, please think about it.

You just have to please yourself and who does not like you, just have to deal with it. If you need help to overcome these traumas please ask for it, it is not a shame, on the contrary, it is a great act of courage and you don’t have to expose publicly if you don’t feel comfortable with it, you should manage your own life the way you want.

I am sharing this very private experience because I am comfortable with it and I believe it is in sharing experiences that we can help each other, so I ask that we don’t fall into the mistake of “classifying people” by their appearance, because my loves, the not acceptance is something that can be experienced by anyone and sometimes for too long.

This non-acceptance can begin in one’s childhood growing into adolescence and can negatively mark the person during this period of time, even in their adult life. Sometimes there are pressures made by the family itself, by the group of “friends” and by the so-called “concepts” that are no more than prejudices.

Since we are not all the same, there are those who don’t give in to pressure, others who survive pressure and those who unfortunately give in to pressure and we know how this could end up to. We can try to avoid this by being more tolerant, understanding and doing everything we can to accept ourselves as we are.

And since this is a blog that is linked to fashion, fashion has an important and different role here than the one who is linked to the stereotypes that still exist and are in sight of everyone, linked with the catwalks. Fashion is much more than that, fortunately, there is a “fashion” that is the one that helps people raise their self-esteem and it is this type of fashion that I want to bring here to the blog.

So I would like to propose a challenge to all readers, the challenge of standing in front of the mirror, undressed and mostly undressed from all of prejudices that you have with yourselves and just praise your body, discovering what you like most in it.

After this you will be prepared to read my next post, which will be presenting tools that help to highlight the best features of each type of silhouette, because each type is unique and beautiful in its own being, but remember that acceptance doesn’t come from others but from itself.

Accepting doesn’t mean that you don’t have to have vanity, that you don’t have to like to beautify just because you do not need it, but if you do not want to do it, that’s okay! The important thing is to be well with yourself, to be well with life, but for those who want to highlight their beauty and have that healthy vanity you just have to be attentive not only to the next post but to a series of them dedicated to this theme.

By the way, I would like to know if this post was useful and, if you wish, leave your comment.

See you soon.

Lena Alfaiate


“A autoconfiança é o seu melhor look”

Antes de iniciar este tema, gostaria de deixar uma pequena nota de agradecimento a todos aqueles que demonstraram o seu carinho e apoio pelo lançamento deste blog, foi e é muito importante para mim.

Agora vamos focar num ponto que, infelizmente, não é de todo confortável para muitas pessoas, ou seja, o seu próprio corpo.

OKY6FW0-002

Fonte da imagem: <a href=’https://www.freepik.com/free-vector/human-body-shape-background-design_1042834.htm’>Designed by Freepik</a>

E começo com uma pergunta que, apesar de parecer simples, pode ser bastante complexa pelo estigma criado pela nossa sociedade e que o nosso cérebro pode, erradamente, absorver.

Sem mais rodeios a pergunta é: até que ponto conhece realmente o seu corpo?

Conhecer o próprio corpo vai muito mais além do que parar em frente ao espelho e analisar os defeitos, admitamos que é o que a maioria faz em determinada altura da vida e por vezes por demasiado tempo…

Ter o real conhecimento do corpo passa sim por uma análise da sua estrutura, ou do seu tipo de silhueta, não estando aqui a falar se a pessoa é gorda ou magra, baixa ou alta, mas sim conhecer com a finalidade de levar ao processo fundamental para que qualquer um se sinta bem consigo mesmo que é autoaceitação.

Somos diariamente bombardeados com conceitos, mais ou menos explícitos, de “ideais de beleza”, “o tipo de corpo ideal”, “a beleza perfeita” e isso choca-me profundamente, atualmente, porque também já me deixei afetar bastante por essas artimanhas deprimentes, contudo, a partir do momento em que nos aceitamos como somos esses “conceitos fabricados por uma sociedade infeliz” deixam de fazer qualquer sentido.

E para quem me conhece ou me passe a conhecer através das redes sociais e pela consequente divulgação do meu trabalho, não pense que não tenho propriedade para falar, porque tenho e muita.

Já que sofri ataques psicológicos por ter sido “demasiado magra” ou “ser esquelética” como era chamada frequentemente, por não ter o peito tão desenvolvido como outras meninas, pelo meu rosto não ter uma beleza dentro dos padrões mentais de algumas pessoas…

Tudo isso marcou-me profundamente, pois, eu simplesmente era assim e não fazia absolutamente nada para ser dessa forma.

Cheguei a comer em dobro, a vestir várias camadas de roupa, a usar soutiens de enchimento para o meu peito parecer maior e para quê? Para agradar aos outros quando eu não me conseguia agradar a mim mesma?

Quem está na situação que eu estive ou a destilar ataques gratuitos para com outras pessoas pense nisso.

Você apenas têm de se agradar a si mesmo, ponto, e quem não gosta que lide com isso, se precisa de ajuda para ultrapassar esses traumas recorra a ela, não é vergonha nenhuma, pelo contrário, é um grande ato de coragem e não tem que o expor publicamente se não se sentir à vontade com isso, a vida é sua.

Estou a partilhar algo muito particular porque estou à vontade com isso e acredito que é na partilha de experiências que podemos ajudar o outro, por isso peço para que não caiamos mais no erro de “classificar pessoas” pela sua aparência, porque meus caros a não aceitação é algo que pode ser vivido por qualquer pessoa e às vezes por demasiado tempo.

Essa não aceitação pode ter início na própria infância passando para a adolescência e pode marcar negativamente a pessoa durante esse período de tempo até mesmo na sua vida de adulta. Por vezes existem pressões feitas pela própria família, pelo grupo de “amigos” e pelos ditos “conceitos” que não passam sim de preconceitos.

Como não somos todos iguais, existem aqueles que não cedem à pressão, outros que sobrevivem à pressão e aqueles que infelizmente cedem à pressão e cujo desfecho é lamentável, vamos tentar evitar isso sendo mais tolerantes, compreensivos e a fazer-mos de tudo para que nos possamos aceitar como somos.

E como este é um blog que está ligado à moda, de que forma a moda tem aqui um papel importante e diferente daquele ligado aos estereótipos, que ainda existem e estão à vista de todos, ligados com as passarelas? A moda é muito mais do que isso, felizmente, existe uma “moda” que é aquela que ajuda as pessoas a elevarem a sua autoestima e é esse tipo de moda que quero trazer aqui para o blog.

Assim, gostava de propor um desafio a todos os leitores, o desafio de se colocarem em frente ao espelho, despidos de roupa e acima de tudo de preconceitos consigo mesmos e a tecerem elogios ao seu corpo, a descobrirem aquilo que mais gostam em si.

Após isso estarão preparados para a leitura do meu próximo post que será a apresentação de ferramentas que ajudam a realçar as melhores características de cada tipo de silhueta, porque cada tipo é único e belo no seu próprio ser, mas lembre-se que a aceitação não provém dos outros mas de si mesmo.

Aceitar-se não quer dizer que não tenha que ter vaidade, que não goste de se embelezar porque não necessita, se não o quiser fazer está tudo bem! O importante é estar bem consigo, de bem com a vida, mas para aqueles que queiram realçar a sua beleza e ter aquela vaidade saudável estejam atentos, não só aos próximos posts, mas a uma série deles dedicados a esse tema.

Para finalizar, gostaria de saber se este post lhe foi útil e se desejar deixe o seu comentário.

Até ao próximo post.

Lena Alfaiate

Dream a new dream / Sonhar um novo sonho

EN (Versão em português no final deste post).

“You are never too old to set another goal or to dream a new dream”. C.S. Lewis

Tailor

Welcome to Tailor’s Advice, a blog that is not just a space where I will spend my time sharing ideas, but one of my biggest dreams.

Seeing something that I planned with so much affection and dedication becoming an accomplishment leaves me deeply moved and, for this emotion to be widely understood, I invite you to access the menu, separator “about”.

Now, emotions aside, I want to talk to you about the main theme of the blog and that is closely related to one of my goals which is demystify the relationship between style and ostentation.

For several years I was confronted with various beliefs that for someone to present themselves well and with style that would convey personality would require a great investment, not only of time but essentially financial, and I realized that after all would not be quite like that. With the experience and over the years I have realized that the financial part is important but much less relevant than it may seem.

Thus, I will share my knowledge in a way that people really understands that the definition of style is not related to an economic capacity, but mainly, to the knowledge of the personality and physical characteristics of each one and how to emphasize them, that is to understand it’s a process from the inside out and not the opposite.

The world needs to see more and more women and men with their high self-esteem and confident in their ability to realize, and Tailor’s Advice wants to be a source of inspiration for this goal to be fulfilled.

Sometime willpower is enough, start with small steps until the desired results are achieved.

And I am here to help and to learn from each one of those who want to be part of this community in which respect, mutual help and sharing will be at the basis of communication to develop.

I’m counting on you.

Lena Alfaiate (As an informative note,Alfaiate means Tailor in Portuguese language)


PT

“Nunca és demasiado velho para estabelecer outro objetivo ou para sonhares com um novo sonho” C.S. Lewis

Sejam bem-vindos ao Tailor’s Advice, um blog que não é apenas um espaço onde dedicarei o meu tempo a partilhar ideias, mas sim um dos meus grandes sonhos.

Ver algo que planeei com tanto carinho e dedicação transformar-se numa concretização deixa-me profundamente emocionada e, para que essa emoção seja amplamente compreendida, convido-vos a aceder ao menu, separador “sobre”.

Agora, emoções à parte, quero falar-vos sobre a temática central do blog e que está intimamente relacionada com um dos meus principais objetivos que será desmitificar a relação entre estilo e ostentação.

Durante vários anos fui confrontada com várias crenças de que para alguém se apresentar bem e com estilo que transmitisse personalidade seria necessário um grande investimento, não só de tempo mas sobretudo financeiro, e percebi que afinal não seria bem desta forma. Com a experiência e com o passar dos anos percebi que a parte financeira é importante mas muito menos relevante do que possa parecer.

Assim, irei partilhar os meus conhecimentos de maneira a que realmente se entenda que a definição de estilo não está relacionada com uma capacidade económica, mas sobretudo, com o conhecimento da personalidade e características físicas de cada um e de como realça-las, ou seja, compreender que é um processo de dentro para fora e não o oposto.

O mundo necessita de ver cada vez mais mulheres e homens com a sua autoestima elevada e confiantes na sua capacidade de concretizar e o Tailor’s Advice deseja ser uma fonte de inspiração para que esse objetivo seja cumprido.

Por vezes basta força de vontade, iniciar com pequenos passos até se atingirem os resultados pretendidos.

E eu estou aqui para ajudar e para aprender com cada um daqueles que queiram fazer parte desta comunidade em que o respeito, a entreajuda e a partilha estarão na base da comunicação a desenvolver.

Conto convosco.

Lena Alfaiate